domingo, 5 de março de 2017

O tempo

Hoje, depois de uma má noite, dei comigo a desejar que a Camila cresça bem rápido. Para que comece bem rápido a andar, a falar, a comer tudo, a ter autonomia. Neste momento é uma bebe muito necessitada da sua mãe. Não quer estar sozinha nem um minuto, não quer colo de mais ninguém e eu não consigo fazer nada e por isso anseio por esta autonomia dela para eu própria também passar a tem mais tempo para mim, para a casa e para o mano mais velho.
Mas... fico num impasse. Porque logo me lembro das saudades que tenho do Tomás bebe e de quanto rápido o tempo passou e penso que devia ter aproveitado mais, bem mais, o meu bebe. Aquela paixão única que aquele ser pequenino tem por nós. Somos alimento, somos segurança, somos conforto... somos amor.
Não quer dizer que aos 4 anos eu ainda não seja tudo isto para ele... mas é diferente. Quando ele me diz que não quer colo porque já não é bebe... o meu coração pára e desejava voltar atras e ter o meu bebe ao colo... o seu sitio favorito.
Por isso Camila... vai devagar. A mãe espera por ti. Deixa a mãe aproveitar esta tua paixão, o teu cheirinho, o teu olhar... vai devagarinho!


1 comentário:

  1. Percebo esse sentimento anatgónico: lembro-me de olhar para a minha filha, há uns bons tempos atrás, e desejar que ele começasse a andar e a comer de forma mais variada e entretanto o tempo passou, e ela já está crescidinha. O tempo não volta para trás e por mais que haja momentos em que desejamos que ele avance, outros há em que queremos parar o relógio.

    ResponderEliminar