sábado, 1 de novembro de 2014

Das coisas que se perdem...

Quando era miúda, eu e o meu grupinho lá aldeia todos os anos arranjávamos uma abóbora, cortávamos e arranjávamos de maneira a ficar o mais original possível.  Vestíamos fatos de personagens assustadoras e saiamos à rua, porta a porta a cantar os "Bolinhos Bolinhós".
Todos os anos religiosamente, durante toda a minha infância e parte da adolescência fazíamos isto. As pessoas adoravam ver os nossos fatos e principalmente a nossa abóbora que todos os anos estava mais gira. Davam nos doces, comida e as vezes algum dinheiro. Era um dia do ano muito esperado pela aldeia e principalmente pela miudagem.
Agora vivo na cidade e dei comigo a pensar nisto e fiquei triste pelo meu filho, porque aqui não se faz nada disto.  Ele não vai vivenciar estas experiências como eu tive o prazer de vivenciar. Porque como esta, eram outras que fizeram parte da minha infância, da minha vida na aldeia. Fui uma criança tão feliz com estas pequenas coisas que fico triste por o meu filho não as ter.
Este ano não fiz, mas para o ano garantidamente que vou arranjar uma abóbora e vamos fazer alguma coisa, não é o mesmo... mas não posso não fazer nada!
Aiii que saudades de ser criança... :)


1 comentário:

  1. Às vezes tb penso nisso, a minha filha não vai poder ter uma infância tão rica como a minha. Viver na aldeia, naqueles tempos era uma animação. Eu tenho feito a abóbora com ela...adorou vê-la no escuro!

    ResponderEliminar